Busca

Diêgo Leôncio

Soneto em cinza

Quintas Lamúrias

O saguão do aeroporto é impessoal.

Sentada nesse desconfortável assento, aguardo a chamada para o voo.

Estou voltando para a vida que corri, que escolhi não viver.

Mas a vida é tão injusta que me obrigou a voltar para tudo que me prendia, me sufocava.

Lá fora está um dia lindo. Continuar lendo “Soneto em cinza”

Coffe Break

Miles Davis – Tutu ao vivo na Alemanha – 1987

Coffee break!

Soneto em cinza

Quartas Lamúrias

Não esperava isso de você. Achei que me amava, Sófia. Mas você me usou. Fez o que quis com meu corpo, com meus sentimentos e depois me abandonou. Queria apenas o meu dinheiro, o meu tempo a minha juventude.

Agora estou aqui, sozinha e violada, nessa terra de estranhos que me encantava e agora me faz ficar vendo vultos em todos os lados.

Agora estou ouvindo novamente aquela música fúnebre, aquela mesmo que me fez ir embora do lugar aonde nasci. Não consigo mais ver beleza em nada, em lugar nenhum em hora nenhuma. Continuar lendo “Soneto em cinza”

Soneto em cinza

Terceiras Lamúrias

Madri tinha o cheiro de novidade velha.

O bairro de Malasaña era seu sonho realizado. Era velho e moderno, novo e antigo. Encontrava pessoas interessantes e vivia a vida com o charme boêmio que sempre imaginou: tomava vinho durante as tardes, olhando o vai e vem das pessoas apresadas.

Pintava os prédios antigos com o vigor redobrado.

A vida noturna do bairro a fascinava. Era diferente de tudo que conhecia. As pessoas não eram tão vazias e podia-se abordar um estranho para conversar sobre o tempo sem segundas intenções.

Gostava de observar a vida de cima, no parapeito de seu cubículo. Imaginava quem eram as pessoas que passavam, quais seus desejos, seus amores. Continuar lendo “Soneto em cinza”

Soneto em cinza

Segundas Lamúrias

Passava o fim de semana trancada em casa, sonhando viagens, sonhando o mundo.

Certa vez, sonhou Veneza, Roma, Madri e Montevidéu, mas teve que acordar para a realidade da rotina diária.

Queria ser bicho soltou, sem compromissos com a realidade. Pombo que voa para onde dá na telha, cachorro que vaga sem destino. Queria ser vira-latas e não dar as caras para a humanidade.

Clarice queria se apaixonar por alguém que valesse à pena. Continuar lendo “Soneto em cinza”

Soneto em cinza

Primeiras Lamúrias

Clarice acordou mais velha.

Sentia-se cansada da vida.

Não queria levantar e ver as mesmas pessoas, ter a mesma rotina, o mesmo tudo.

Passou a geleia no pão e ouviu no noticiário sobre a economia do país. Queria ir embora dali; não por conta da economia, mas por conta da vida.

Entrou no ônibus e sentou-se no fundo, queria ficar sozinha com seus pensamentos.
Continuar lendo “Soneto em cinza”

Nerd sim, e com orgulho!

Durante toda minha infância e adolescência fui taxado de nerd. Eu sempre preferi revistas em quadrinhos, filmes, séries de ficção cientifica e livros do que futebol. Se eu sofri com isso? Sim e não. Sim por que eu fui rotulado como o esquisito, o que não se encaixava em nada, mas eu estava me lixando. Via os caras que me rotulavam como uns imbecis que não conseguiam enxergar um palmo diante do nariz. Mantenho contato com alguns deles ainda hoje, e posso dizer que ainda são uns cabeças duras. Continuar lendo “Nerd sim, e com orgulho!”

A mulher mais bonita da última semana

A vida se faz de pequenas paixões. Paixões diárias, involuntárias, insatisfatórias, predatórias e necessárias. Da última vez que me apaixonei esta semana estava no metrô, lendo aquele livro que me esqueci o nome de tanto que o coração bateu forte. A paixão do dia estava de pé ao meu lado, impassível, dura, altiva, mas só a percebi por conta do perfume doce que inundou toda a minha consciência, que me fez largar o livro e esquecer das páginas que já havia lido. Ela olhou para mim em busca de um motivo para eu ter largado a leitura e não achou nada, mas sabia que poderia ser a presença dela o motivo para meu embaraço. Virou-se novamente para ter certeza de que meu olhar acompanharia os seus movimentos, e os cabelos cor de cobre, e seu olhar de esmeralda bruta, e sua boca de boneca de porcelana. E eu me apaixonei de vez, mas só até a próxima estação. Continuar lendo “A mulher mais bonita da última semana”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑